CHAPADA DOS GUIMARÃES: CONHEÇA A PRINCIPAL CHAPADA DO MATO GROSSO

O grande destaque da região é o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães com uma rica natureza, dezenas de cachoeiras, mirantes, pinturas rupestres, lagoas, cavernas, trilhas para percorrer a flora típica da região, o cerrado, e a formação geológica com paredões gigantescos com um comprimento de 157 km.

População da cidade de Chapada Guimarães: 19.000 habitantes.

Fundação da cidade: 1954.

Inauguração do Parque Nacional Chapada Guimarães: 1989.

Altitude: 798 m

Área do Parque Nacional Chapada Guimarães: 300 km²

Curiosidade: você sabia que o Mato Grosso tem duas Chapadas? Sim, e a outra se chama Chapada dos Parecis e fica para o lado da Bolívia e Roraima.

Como chegar na Chapada dos Guimarães?

Carro e ônibus. Saindo de Cuiabá, utilizamos a estrada MT-251.

Ônibus: a linha Expresso Rubi tem transporte regular, saindo, diariamente, de hora em hora para ambos os sentidos.

A entrada principal do parque está no Km 50 da MT-251.

Distância de Cuiabá: 64 km

Distância de Chapada Guimarães até Nobres: 184 km

CHAPADA DOS GUIMARÃES: mirante Alto do Céu

Alto do Céu

Qual a melhor época para ir?

O clima da região é tropical. O período de chuva vai de meados de setembro até abril (primavera e verão). Mas, mesmo assim, o verão é uma das melhores épocas do ano para visitar, pois, nessa estação, o visitante pode tomar banho nas cachoeiras e obter uma boa vista nos mirantes. Contudo, no verão, a temperatura pode atingir 40ºC com até 15% de umidade, o que pode atrapalhar as trilhas.

No período do inverno, como é uma região serrana, costuma baixar a neblina. No inverno e outono, ocorre a estiagem e o clima é mais frio. A cidade de Chapada Guimarães é uma das mais frias do Mato Grosso, sendo o segundo município mais alto do estado.

Quanto tempo ficar?

Um tempo bom para conhecer a Chapada dos Guimarães é duas ou três noites, no caso de você optar pelos transportes que tornam os passeios mais rápidos, possibilitando dois tours no mesmo dia.

Sugestão para quem opta por transportes e trilhas curtas:

Dia 1

Circuito das cachoeiras (trilha curta). Guia obrigatório – Manhã

Almoço no mirante do Morro dos Ventos ou Mirante Atma

Mirante Centro Geodésico – Tarde

Mirante Alto do Céu – Assistir ao Pôr do Sol

Centro Histórico – Noite

Dia 2

Caverna Aroê – Jari e Lagoa Azul. Guia obrigatório

Águas do Cerrado. Guia obrigatório

Dia 3

Cidade de Pedra. Guia obrigatório

Vale do Rio Claro. Guia obrigatório

 

Com a opção de trilha, o visitante consegue fazer um passeio por dia. Nesse caso, recomendamos pelo menos uma semana. Além disso, para os trilheiros, uma boa opção é a trilha de aproximadamente 8h no morro de São Jerônimo (o ponto mais alto da região)

Informações úteis:

– O fuso horário do Mato Grosso é UTC, – 3h, uma hora a menos de Brasília.

– É conveniente tomar vacina contra febre amarela pelo menos dez dias antes da viagem, para visitar todo o Mato Grosso.

– É aconselhável portar repelente, boné e protetor solar durante os passeios na região.

O que fazer?

A pequena cidade de Chapada Guimarães gira em torno do movimento turístico do Parque Nacional Chapada Guimarães e da natureza da região, que tem catalogadas 487 cachoeiras, 46 sítios arqueológicos e dois sítios paleontológicos.

A cidade possui uma boa estrutura para receber o turismo. Tem casas de hospedagem, como pousadas, hotéis boutiques e hotéis, bem como restaurantes. Há pratos para todos os bolsos no menu dos restaurantes… O maior fluxo de visitantes ocorre aos feriados e fim de semana. A cidade possui empresas de turismo para organizar pacotes de exploração da natureza da região. Turismo de aventura e ecoturismo é um dos principais, sendo que o visitante pode praticar tirolesa, rapel, arvorismo, arco e flecha.

Para realizar os passeios, é praticamente indispensável contratar um guia. Um exemplo é a visita ao Parque Nacional de Chapada Guimarães, cuja contratação de guia é obrigatória.

Caso esteja de carro, pode contratar um guia que ele acompanha no passeio. Na hipótese de não estar motorizado, entrar em contato com a agência de turismo para contratar ambos.

 

Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (PNCG)

Situa-se Rodovia Deputado Emanuel Pinheiro (MT-251), Km 55 (direção Cuiabá).

Acesso livre no parque, contudo as visitas para as atrações devem ser agendadas e acompanhadas por guias credenciados, exceto o mirante da cachoeira Véu da Noiva.

A vida selvagem e flora do cerrado do parque merecem atenção especial, com a típica biodiversidade do Cerrado. O parque é habitat de vários animais selvagens, como corujas, araras-vermelhas, lobo-guará, tatu-canastra, onça-pintada, cachorro-do-mato, entre tantos. Um campo farto para os observadores de pássaros. Já foram catalogadas mais de 400 espécies de aves. Araras-vermelhas podem ser vistas sobrevoando a Cachoeira Véu de Noiva.

As principais atrações do parque são a Cachoeira Véu de Noiva, o Circuito das Cachoeiras, um trekking pelo Morro de São Jerônimo. Ao lado destas atrações, o visitante pode conhecer a incrível Cidade de Pedra, Vale do Rio Claro.

Cachoeira Véu de Noiva

Cartão-postal do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães e do Mato Grosso.

CHAPADA DOS GUIMARÃES Cachoeira Véu de Noiva

Cachoeira Véu de Noiva

A cachoeira é formada pela queda d’água do Rio Coxipó. A queda de 86m de altura é emoldurada com paredões de arenito com tonalidade vermelha. A base da cachoeira é uma bela piscina natural. Contudo, por motivo de segurança, foi fechada a trilha que levava à base, bem como é vedado o banho na piscina natural.

Então, a cachoeira somente pode ser avistada pelo Mirante Véu de Noiva. Para chegar a esse ponto de observação, é necessário percorrer uma trilha de 550m para ir e outros 550m para voltar. No caso de pessoas idosas, com dificuldades de locomoção ou crianças pequenas, pode-se descer de carro até a base do ICMBIO. Desse ponto, a caminhada se reduz para 30m de ida e mais 30 de volta.

O acesso é gratuito e não necessita de guia.

Horário de visita: 9h às 15h, diariamente.

Circuito das Cachoeiras

Situa-se dentro do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães.

O Circuito das Cachoeiras tem duas trilhas: a trilha longa e a trilha curta. O percurso mais curto são aproximadamente 4km de caminhada e nele passamos por seis cachoeiras:

_Cachoeira Sonrisal: também conhecida como Hidromassagem, eis que tem um banco de pedra em baixo da queda d’água e, quando a pessoa senta, recebe fortes jatos, como uma massagem;

_Cachoeira do Pulo: o nome se deve ao fato de que antes a piscina natural era bem profunda, então as pessoas costumavam pular nela. Contudo, hoje está mais raso e o salto é perigoso;

_Cachoeira do Degrau: o nome é em razão de ter pedras em forma de degraus, um bom local para se banhar;

"<yoastmark

_Cachoeira da Prainha: tem esse nome por que o local parece uma praia, com uma grande piscina natural, uma faixa de areia sombreada pela mata, o local mais popular para se banhar;

_Piscina Natural: é recomendada apenas contemplação, pois o acesso é perigoso;

Piscina Natural, circuito das cachoeiras

Piscina Natural

_Cachoeira das Andorinhas: com 30m de queda, a última do trajeto (ou a primeira, dependo por onde você vai iniciar), é a mais bela de todas.

Cachoeira das Andorinhas, circuito das cachoeiras

Cachoeira das Andorinhas

O percurso mais longo tem 7km de trilha, passando por todas cachoeiras da trilha curta. Contudo, tem mais um atrativo no caminho. Nessa opção, o visitante também passa por uma gruta histórica, chamada de Casa de Pedra

Dica:

-Portar sapato adequado para fazer a caminhada, mas também um chinelo para poder fazer pequenos trechos. Também é conveniente levar sapatilha adequada para entrar na água, pois os pisos são pedregulhosos.

– Levar água para se hidratar.

Cidade de Pedra

A imagem mais majestosa do parque é formada pela natureza, por milhares de anos. As deslumbrantes formações rochosas, com gigantescos paredões e formatos, dão o tom especial ao parque. O cânion com mais de 300m de altura foi esculpido pelo tempo e o vento. Dessa forma, a história desta formação rochosa é incrível – há 500 milhões de anos, tudo era água. Ao passar do tempo, com a sedimentação, formou-se uma descida, a chapada, com paredões avermelhados. No cume do cânion, as formações rochosas vistas de longe lembram ruínas de uma cidade, a Cidade de Pedras.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Cidade de Pedra

Cidade de Pedra

No local, já foram encontrados fósseis de dinossauro e outros animais pré-históricos. A Cidade de Pedra fica a 30 km da entrada do parque. O acesso pode ser feito parte em carro 4×4.

Para usufruir do cenário de paredões, o Parque Chapada dos Guimarães possui mirantes. Enquanto percorremos a trilha, fizemos paradas nesses pontos para apreciar a Cidade de Pedra, com vistas panorâmicas por ângulos distintos.

Vale do Rio Claro

O passeio passa por três pontos: Poço Verde; Poço das Antas; e Crista Galo.

A Crista do Galo é um pico na montanha com vista de 360º, podendo apreciar os magníficos paredões avermelhados.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Vale das águas, Crista do Galo

Crista do Galo

O Poço das Antas fica a 20min de caminhada da Crista do Galo. Como fica próximo da nascente do rio, a água é cristalina.

Poço da Esmeralda encontra-se a cerca de 1h 15min do início da caminhada. Trata-se de uma pequena piscina natural com água esverdeada. Ao lado do Poço Verde, há outra piscina natural chamada Poço encantado. Ela é maior e mais profunda do que o Poço Verde, sendo convidativa para banhar-se.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Poço da Esmeralda, Vale das águas

Poço da Esmeralda.

Situa-se dentro do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães.

Necessita de guia e agendamento.

O passeio pode ser feito por trilha de 12km ou por 4×4 e uns 2km de caminhada

Morro de São Jerônimo

O cume do Morro de São Jerônimo tem 836m. O ponto mais alto do parque apresenta uma vista espetacular de 360º. A trilha é cansativa, com subidas e descidas. No meio da caminhada, passamos por uma antiga casa de um fazendeiro que hoje funciona como ponto para abastecimento. O turista pode fazer um lanche e tomar uma bebida.

Durante o trajeto, o caminhante passa por vários mirantes para apreciar a vista e formações rochosas de arenitos peculiares.

Há muitas lendas sobre o cume do Morro São Jerônimo. Crenças apontam que o lugar é povoado por duendes e gnomos. Também há quem diga que é local de aterrissagem de discos voadores.

O nome do morro teria origem em razão das rezas feitas pelos bandeirantes a Santa Bárbara e São Jerônimo para amenizar as tempestades com raios e trovões.

Necessita de guia e tem que fazer ser agendada a visita.

Por dia, só é permitido o acesso de 36 pessoas.

Distância da trilha ida e volta: 20 km

Duração da trilha: aproximadamente 3h de caminhada e 40min de escalada para ir e, depois, o mesmo tempo para retornar.

Caverna Aroe – Jari e Lagoa Azul

Situada a 46 km da cidade de Chapada Guimarães na Fazenda Água Fria. O ingresso para a propriedade inclui três cavernas, a Lagoa azul, a Pedra do Equilíbrio (que fica no meio da trilha), uma Ponte de Pedra (próxima ao restaurante, o início da trilha para quem opta por fazer todo percurso em trilha) e na saída está a Cachoeira do Relógio.

O percurso pode se iniciar por qualquer um dos lados.

Nós fizemos:

Caverna Pobe Jari, Caverna Kiogo Brado, Lagoa Azul, Pedra do Equilíbrio, Caverna Aroe Jari.

Na Caverna Pobe Jari, entramos e exploramos um pouquinho. Ela é longa e de fácil acesso. No percurso, é recomendado usar lanternas (pode ser de celular), pois não há iluminação no local.

Caverna Aroe - Jari e Lagoa Azul : Caverna Pobe Jari

Caverna Pobe Jari

A Caverna Quiogo Brado, com 273m de comprimento, foi a que achamos mais diferente. O que nos impressionou nesta caverna foi o “túnel” que percorremos, que são linhas naturais de depósitos sedimentares regulares e paralelas das paredes formadas ao longo do tempo.

Caverna Aroe - Jari e Lagoa Azul: Caverna Quiogo Brado

Caverna Quiogo Brado

A Lagoa Azul é coberta por formação rochosa de arenito, com água cristalina. A margem de entrada da lagoa dá de frente ao mato. É proibido tomar banho nela… Por causa da cor da água e beleza do local, foi a atração que mais gostamos nesta fazenda.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Lagoa Azul

Lagoa Azul

A Caverna Aroe Jari, também conhecida como Morada das Almas, é uma das principais atrações da região. Trata-se da maior caverna de arenito do Brasil, com 1,5 km de extensão. Em razão da constituição geológica, a caverna não possui as tradicionais formações de estalactites e estalagmites.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Caverna Aroe Jari

Caverna Aroe Jari

A trilha para Ponte de Pedra pode ser feita antes ou depois das cavernas para quem optar por ir as atrações com transporte local.

Caverna Aroe - Jari e Lagoa Azul: Ponte de Pedra

Ponte de Pedra

Caverna Aroe - Jari e Lagoa Azul : Cachoeira do Relógio

Cachoeira do Relógio

O passeio pode ser feito de duas formas: trilha de 12km ou transporte da propriedade com 3km de caminhada.

Ingresso: R$ 90,00 (só entrada), R$ 130,00 (entrada+ almoço+ transporte ida e volta).

O tour é obrigatoriamente guiado e o cliente tem que utilizar caneleira de couro oferecida pelo estabelecimento para caminhar pela trilha para se proteger de cobras. Para chegar, é preciso percorrer aproximadamente 25 km são de estrada de chão batido.

Águas do Cerrado

O complexo contém quatro cachoeiras e um poço, localizados em uma propriedade privada. Próximo à sede da fazenda, está o Poço do Amor e a Cachoeira do Sossego. O Poço do Amor tem esse nome pois, observando de cima, as rochas que contornam o poço formam um coração.  A água do Poço do Amor flui para a Cachoeira do Sossego.

Águas do Cerrado: Poço do Amor

Poço do Amor

Posteriormente, o visitante vai de transporte para as outras cachoeiras ou pode fazer o deslocamento por trilha. Nós optamos pela primeira opção e conhecemos as outras três cachoeiras, nesta ordem: Cachoeira das Orquídeas, Cachoeira Alma Gêmea e Cachoeira Pedra Encantada.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Cachoeira Pedra Encantada, Águas do Cerrado

Cachoeira Pedra Encantada

O passeio pode ser feito de duas formas: trilha de 7km ou com transporte interno e pequena caminhada. É necessário guia credenciado para fazer o passeio.

Ingresso: R$ 75,00 (entrada com almoço).

Mirantes

Apreciar as belas paisagens da região é uma das grandes atrações da Chapada dos Guimarães. Há vários mirantes para contemplar essas belas vistas.

_Mirante Morro do Ventos

O local é amplo e agradável, possibilitando outra vista linda da região. Lá tem dois belvederes, mas caminhando pelo local nós já conseguimos contemplar a beleza da região. O local também tem restaurante e o preço é mais em conta que no mirante Atma. A refeição é servida em panelas e dá para 3 a 5 pessoas. O estacionamento é cobrado.

CHAPADA DOS GUIMARÃEs: Mirante Morro do Ventos

Mirante Morro do Ventos

_Mirante Atma

Eis aqui um outro belo mirante da região… O local é uma pousada e restaurante. O ingresso é R$ 30,00 por pessoa para o mirante, mas caso o visitante almoce no local, não precisa pagar ingresso. O restaurante é mais sofisticado, com comida muito boa, contudo, o preço é bem salgado (uma média de R$ 90,00 o prato, para uma pessoa, bem servido).

_Mirante do Centro Geodésico da América do Sul

Altitude: 845.

O mirante natural expõe uma vista deslumbrante de cânions, da vegetação e, em dias ensolarados, avista-se até capital do estado, Cuiabá.

O ponto popular do mirante é uma pedra. Para chegar a esse ponto, é necessário fazer uma trilha.

O ponto central da América do Sul situa-se na Praça Pascoal Moreira Cabral, em Cuiabá. O lugar foi determinado pelo Marechal Cândido Rondon em 1909. No centro da praça, há um grande obelisco identificando o ponto exato do centro da América do Sul.

Acesso livre.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Mirante do Centro Geodésico da América do Sul

Mirante do Centro Geodésico da América do Sul

Dica:

– Cautela com objetos deixados dentro do carro. Há notícias de furtos.

Curiosidade:

– Centro Geodésico é ponto equidistante do Oceano Pacífico e do Oceano Atlântico (1600 km).

– Houve contestação se o ponto central da América será na praça de Cuiabá ou no Mirante da Chapada. Cálculos do Exército confirmaram ser na praça central de Cuiabá.

_Alto do Céu

Esse é um ótimo mirante para avistar o pôr do sol. O Alto do Céu possui uma vista do pantanal, de Cuiabá (a capital do estado) e de outras cidades como Santo Antônio, Acorisal.

Horário: 9h às 18h.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: mirante Alto do Céu

Alto do Céu

Portão do Inferno

O Portão do Inferno é um precipício de 50m de altura, formando um grande paredão de arenito. A origem do nome data do século 18, pois nesta época toda formação geológica que era voltada para baixo da terra tinha seu nome ligado ao inferno. E, por outro lado, quando direcionada para o céu, os nomes eram referente a uma entidade divina.

Chegando na Chapada dos Guimarães, na estrada, bem em uma curva está o Portão do Inferno. Esses paredões nada mais são que um ponto no meio da estrada, sem estrutura e lugar para estacionar. Passando um pouco do mirante, tem um acostamento na estrada e é ali que os turistas costumam estacionar para admirar o local.

CHAPADA DOS GUIMARÃES: Portão do Inferno

Portão do Inferno

Centro Histórico

O centro da cidade é pequeno, porém muito simpático. É uma boa opção de passeio noturno. Para quem deseja fazer compras, o artesanato local é uma referência. A praça central da cidade está cercada pelas casas mais antigas da comunidade e pela charmosa Igreja de Sant’Ana.

Centro histórico da CHAPADA DOS GUIMARÃES: Igreja de Sant’Ana

Igreja de Sant’Ana

Cachoeiras

A região possui várias cachoeiras espalhadas, sendo boa parte delas no interior do Parque Nacional da Chapada Guimarães.  Sem dúvida, as águas refrescantes das quedas d’água são um alívio para o calor do Cerrado. Outras cachoeiras da região são: Cachoeira da Geladeira; Cachoeira do Marimbondo; Cachoeira da Martinha; Cachoeirinha e Cachoeira dos Namorados.