CRICIÚMA, A CAPITAL DO CARVÃO

Criciúma, segunda cidade que mais cresce em Santa Catarina, quinta maior cidade catarinense, é conhecida como Capital Brasileira do Carvão, assim como do Revestimento Cerâmico. O município também é um polo industrial metalmecânico, carvão mineral, plásticos e descartáveis, confecção. Outra característica da cidade está no subsolo, que contém uma das maiores reservas de minerais do Brasil. Para conhecer esse mundo subterrâneo, o turista pode visitar a Mina Octávio Fontana. O local oferece uma visão sobre o processo de exploração do carvão, que iniciou em 1913 e teve seu auge na cidade na década de 1930. Contudo, nos dias atuais, não existe mais mina ativa na cidade.

Compre sua passagem aqui

Cidade policultural, colonizada por italianos em sua origem, recebeu ao longo do tempo povos de outras etnias, como alemães, poloneses, árabes, afrodescendentes, espanhóis e portugueses. Para comemorar as diversas culturas da cidade, anualmente é realizada a Festa das Etnias.

CRICIÚMA, Parque Municipal Prefeito Altair Guidi (Parque Centenário)

Uma paixão dos criciumenses é seu time de futebol, que leva o nome da cidade: Criciúma Esporte Clube. A visita ao estádio da equipe é um dos pontos obrigatórios de Criciúma. E por falar em nome, essa cidade foi batizada em razão de existir na região muito capim Cresciuma. Atualmente, esta espécie de grama praticamente não existe, podendo ser vista na Praça Nereu Ramos e no Parque Centenário.

Um pouco da história de Criciúma

A colonização da cidade iniciou em 1880 por imigrantes do norte das Itália. Boa parte dos homens e mulheres que povoaram a região foi proveniente da cidade italiana de Vittorio Veneto, hoje considerada cidade irmã de Criciúma. A data oficial de fundação da cidade é dia 06 de janeiro de 1880. Com o fim da mão de obra escrava e a necessidade de mão de obra para a crescente lavoura cafeeira, os italianos foram para região. A localidade no início era denominada de São José de Criciúma.

Contrate seu seguro aqui

Em 1890, chegaram ao lugar novas etnias, as alemãs e polonesas. Colonos portugueses provenientes de Laguna somaram-se aos já presentes, contribuindo para o desenvolvimento da cidade. Em 1926, o território de Criciúma desmembra-se de Araranguá, tornando-se um município autônomo.

Informações gerais

O clima da cidade é subtropical. A temperatura média é 19,5°C. A chuva ocorre regulamente o ano inteiro.

População: 213.000 habitantes. A região metropolitana de Criciúma tem em torno de 600.000 habitantes.

Altitude: 46m

Onde fica Criciúma?

Situa-se ao sul de Santa Catarina, na região turística de Encantos do Sul, fazendo limite com os municípios de Nova Veneza, Siderópolis, Cocal do Sul, Morro da Fumaça, Maracajá, Araranguá, Forquilhinha e Içara. A cidade está localizada entre a Serra do Rio do Rastro e o Oceano Atlântico.

Distância de Florianópolis: 200 km

Como chegar em Criciúma?

Pela via terrestre, através da BR 101, via SC-445.

O Aeroporto Diomício Freitas, localizado no município vizinho de Forquilhinha, recebe voos de outras partes.

Reserve seu carro aqui

O que fazer em Criciúma?

Ao contrário de cidades vizinhas, Criciúma não possui grandes belezas naturais. Porém, a cidade possui atrações culturais e históricas, como festivais, museu, templos religiosos, visitação a minas.

Mirante da Cidade no Morro Cechinel

CRICIÚMA, Mirante da Cidade no Morro Cechinel

O Morro Cechinel, com seus 260 metros de altura, é o mais alto de Criciúma. O morro também é conhecido como morro da TV.   Subimos por uma via pavimentada até o restaurante da Família Rosso – da parte dos fundos, temos uma bela vista da cidade. Há um projeto para construir um mirante no local, mas, por enquanto, só de subir no terraço do restaurante já vale a vista. Nós fomos durante a tarde para ver a cidade durante o dia e nos disseram que era mais lindo à noite, quando fica tudo iluminado. Então, resolvemos ir lá para jantar a admirar a vista.

CRICIÚMA, Mirante da Cidade no Morro Cechinel

Mina de Visitação Octávio Fontana – Mina Modelo

A mineração faz parte da história de Criciúma, sendo que esta foi a atividade econômica mais importante na época da fundação da cidade. Por isso, Criciúma é conhecida como a capital do carvão. A Mina de Visitação Octávio Fontana foi inaugurada em 2011 – é a única aberta ao público no Brasil. A visita é em uma mini locomotiva, que percorre 300 metros dentro de uma mina real (da qual um dia foi extraído carvão).

A mina que ali funcionava se chamava São Simão, que era localizada em uma área de 15 hectares, porém o passeio contempla apenas 300 metros. A exploração dessa mina ocorreu entre 1950 e 1960, mas depois ficou desativa até os anos 1980, quando voltou a funcionar. Contudo, em 1995, foi desativada novamente por falta de recursos naturais. Então, em 2011 foi aberta para visitação.

O nome da atual da mina é em homenagem a Octávio Fontana, um dos últimos trabalhadores da mina.

Horário: 14h às 18h, terça-feira; 9h às 12h e das 13h às 18h, quarta-feira até domingo. As visitas ocorrem a cada meia hora. Para mais informações: (48) 34458734
Ingresso: R$ 14

Parque Municipal Prefeito Altair Guidi (Parque Centenário)

O Parque Centenário, também chamado de Parque Municipal Prefeito Altair Guidi, abriga o Paço Municipal, o Memoria Dino Gorini (e Monumento às Etnias, O centro de Eventos José Ijair Conti, bem como o Centro Cultural Santos Guglielmi). O local é amplo e cercado, com estrutura e estacionamento. Possui pista de skate, pista de caminhada, ciclovia, quadras de areia e poliesportivas, um lago, playgrounds, academia ao ar livre, letreiro escrito “Eu amo Criciúma” e um monumento ao prefeito Altais Guidi.

O Paço Municipal foi inaugurado em 1980 na comemoração de 100 anos da cidade. Hoje é sede do Poder Executivo de Criciúma.

CRICIÚMA, Paço Municipal

O Monumento às Etnias foi inaugurado em 1981, em comemoração aos 100 anos da chegada dos primeiros imigrantes. O monumento é uma alusão à riqueza do subsolo da cidade, projetado pelo arquiteto Manoel Coelho. No seu subsolo, encontra-se o Memoria Dino Gorini, que abriga painéis em homenagem às primeiras etnias que ajudaram na fundação de Criciúma: italiana, polonesa, negra e portuguesa.

CRICIÚMA,Parque Municipal Prefeito Altair Guidi (Parque Centenário)

Reserve seu hotel aqui

O Centro de Eventos José Ijair Conti é destinado a shows, palestras, feiras e exposições, fica em frente ao Centro Cultural Santos Guglielmi. O local possui uma arena multiuso, centro de convenções, bem como pavilhões. Já o Centro Cultural Santos Guglielmi é palco de eventos, como o Festival Internacional de Corais de Criciúma. E concentra a Galeria de Artes Octávia Gaidzinski, a Biblioteca Pública Municipal Donatila Borba, um teatro de arena. Ainda, no complexo, há um mastro de 40 metros de altura (em que é hasteada a bandeira nacional), bem como o Teatro municipal Elias Angeloni. Esse centro foi construído em 1983.

Parque das Nações Cincinato Naspolini

CRICIÚMA, Parque das Nações Cincinato Naspolini

O Parque das Nações é um grande ambiente de esportes, cultura e lazer com mais de 115 metros quadrados, inaugurado em 2011. Possui ciclovia, bosque, quadras poliesportivas, pista de caminhada, playground, academia ao ar livre, museu, palco, lugar para show, uma locomotiva para passeio de trem. O parque é cercado e proporciona um agradável contato com a natureza. Fica localizado no bairro Próspera, em frente ao Ibis.

Horário: 7h até 23h.

Praça da Chaminé

CRICIÚMA, Praça da Chaminé

A Chaminé da primeira usina elétrica da cidade, que pertence à carbonífera Próspera, está na praça, sendo esta a razão do nome. A praça da Chaminé foi inaugurada em 1984 e está localizada na Avenida Centenário, no Bairro Próspera ao lado do Parque das Nações.

Praça Nereu Ramos

A Praça Nereu Ramos é um dos ícones da cidade, localizada no centro da cidade. Foi construída em 1917, seu jardim em 1917 e seu calçamento original em 1966. O local concentra parte da história de Criciúma, pois foi em volta de uma igreja que ficava ali que a cidade se desenvolveu. Por ali, também corria um rio em que os tropeiros paravam para dar água aos seus cavalos. Na praça, encontra-se o Monumento ao Mineiro, a Casa de Cultura Neusa Nunes Vieira, bem como a Catedral São José. Além disso, ao seu redor, há construções feitas pelos colonizadores, opções de comércio e gastronômicas.

O Monumento ao Mineiro foi erguido em homenagem aos homens que trabalham com carvão, inaugurado em 1946, tendo em vista que a cidade se desenvolveu através da extração do carvão descoberto em 1913. O modelo para a estátua foi o mineiro Sr. Manoel Costa.

CRICIÚMA, Praça Nereu Ramos monumento ao minero

A Casa de Cultura Neuza Nunes Vieira ou Arquivo Histórico abriga o Arquivo Histórico Pedro Milanez, Departamento de Patrimônio Histórico, bem como a coordenação da Casa de Cultura. O local é atualmente administrado pela fundação cultural de Criciúma.

Catedral São José

CRICIÚMA, Praça Nereu Ramos Catedral São José

A Catedral fica no centro da cidade na praça Nereu Ramos. Criciúma se desenvolveu em torno de uma igreja (datada de 1889), que estava no lugar antes da atual catedral ser construída. A atual igreja começou a ser construída em 1907, mas foi inaugurada somente 10 anos depois, em 1917. Nos anos 1946, 1976 e 2006 passou por reformas e ampliações. O templo possui arquitetura no estilo romano misturado com gótico, com naves divididas em duas colunas, bem como fileiras. Na fachada externa, encontram-se estátuas de cimento instaladas em 1946, esculpidas pelo artista Natalício Marques.

Centro Cultural Jorge Zanatta

O Centro Cultural Jorge Zanatta, também conhecido como Fundação Cultural de Criciúma, fica no centro da cidade, na Rua Cel. Pedro Benedet, 269. O casarão foi construído em 1940 para funcionar o Departamento Nacional de Produção Mineral. Não só para isso o local serviu, mas também foi instalação do serviço de água tratada da região, foi sede da Comissão Executiva do Plano do Carvão Nacional (em 1962), também foi prisão da ditadura militar (em 1964), bem como sede do Conselho Nacional do Petróleo. Então, em 1993, surgiu a Fundação Cultural de Criciúma, que criou o Centro Cultural Jorge Zanatta. A construção foi restaurada em 1996.

CRICIÚMA, Centro Cultural Jorge Zanatta

Acesso livre.

Horário: 8h30 até 12h e 13h30 até 18h, de segunda até sexta-feira.

Praça do Congresso

CRICIÚMA, Praça do Congresso

A Praça do Congresso fica no centro da cidade. Foi sede do Congresso Eucarístico Diocesano em 1946 e, por isso, o nome do local. A praça possui um parque infantil, academia ao ar livre, um lago com animais, bem como bustos de Aníbal (ligado ao carvão) e Addo Caldas (foi três vezes prefeito de Criciúma). O espaço não é muito grande, mas com uma farta arborização.

Gruta Nossa Senhora de Lourdes

CRICIÚMA, Gruta Nossa Senhora de Lourdes

Uma gruta constituída por pedras com a imagem da Nossa Senhora de Lourdes. Seu entorno é muito agradável, com vegetação nativa, uma pequena fonte de água, bem como cadeiras para descansar e apreciar o ambiente. A gruta foi construída em 1946 e fica próxima à Praça do Congresso. O local é cercado, assim como bem cuidado.

Memorial Casa do Agente Ferroviário Mário Ghisi

A Casa do Ferroviário foi construída em 1920 com o objetivo de abrigar o agente ferroviário da estação e sua família. Ela está relacionada à construção da Estrada de Ferro Dona Teresa Cristina. Ao ser construído o novo terminal urbano de Criciúma, a casa foi demolida em 1995 e reconstruída em 2001 por ordem judicial. Assim, o local se transformou no memorial da história do transporte ferroviário em Criciúma.

CRICIÚMA, Memorial Casa do Agente Ferroviário Mário Ghisi

Acesso livre.

Horário: 8h até 12h e 13h30 até 17h30, de segunda até sexta-feira.

Estádio Heriberto Hulse

O Estádio Heriberto Hulse é a casa do time Criciúma Futebol Clube, e é apelidado como o “Majestoso” pela torcida carvoeira. O nome do estádio é em homenagem a um importante político que nasceu na região. Trata-se de um dos principais palcos esportivos de Santa Catarina, inaugurado em 1955, com capacidade para 19.225 pessoas. Seu diferencial é que ele é o do estado, todas as arquibancadas são cobertas, ou seja, o torcedor não tem preocupações em dias de chuva.

CRICIÚMA, Estádio Heriberto Hulse

Os torcedores de criciúma também são chamados de carvoeiros, mas foi o único time da cidade que iniciou sem nenhum minerador. Assim, com o tempo, tornou-se o mais importante da cidade e ficou com a fama pela marca carvoeira local.

O estádio já foi sede de jogos de cunho internacional, na Libertadores da América em 1992, quando o time ficou em quinto lugar. O Criciúma Futebol Clube possui alguns títulos nacionais, bem como estaduais. Junto ao estádio, há uma loja que vende artigos do clube, lá encontramos algumas taças do time. Quando chegamos para visitar o local, havia uma porta aberta para visitarmos a parte interna. Contudo, recomendamos ligar para ver se o estádio está aberto para vistas: (48) 3046-7550.

Museu Augusto Casagrande

O Museu Municipal Histórico e Geográfico Augusto Casa Grande foi inaugurado junto com a comemoração de 100 anos da colonização de Criciúma, em 1980. O museu se encontra onde antes foi construída a primeira casa de Criciúma, a construção atual foi feita em 1920 e restaurada em 1978. O amplo acervo de hoje é fruto de várias doações, desde 1976. Dentro do museu, constam itens pessoais da família Casagrande. Além disso, também encontramos objetos que contam a história de Criciúma e povo da região.

CRICIÚMA, Museu Augusto Casagrande

Acesso livre.

Horário: 8h30 até 12h e 13h30 até 18h, de segunda à sexta-feira.